Mais conectados. Mais conteúdo. Muito mais Nova Veneza.

A solução do início dos problemas

Os três atacantes no Criciúma, confesso, sempre foi um pedido meu. Não é porque o Tigre ganhou que vou aqui exaltar o esquema colocado pelo técnico Moacir Júnior; temos um ataque forte por causa de Silvinho, Juba, Neto Baiano, e os reservas com Lucca, Paulo Sergio, Jefferson, Bruno Lopes e até Maurinho formam um time veloz na frente.

O trio titular dá uma agilidade muito grande, tendo a colaboração, claro, dos laterais. Cristiano, na partida de sábado, mostrou ser um jogador que ataca bastante e vai para a linha de fundo, mas, mostrou também que não tem a “perna direita” e depende da canhota para cruzar, cortar ou até driblar. Ezequiel é mais na defesa e, por isso, ainda é titular, já que Arnaldo é muito ofensivo.

Cléber Santana, ao mesmo tempo que mostra pouca vontade, parece ter melhorado um pouco com as vaias da torcida. Um puxão de orelha não faz mal a ninguém. Wellington mostrou qualidade e, mesmo na marcação cerrada, não dá chutão, diferente de Wanderson, que é no estilo “bola para o mato que o jogo é de campeonato”. No mais, o time mostra força e agilidade. Ainda é cedo para dizer que é o correto, porque é preciso, muito, explorar as laterais, por causa apenas dos três homens de meio campo, o que fica vazio e menos gente em relação aos adversários.

Dá para melhorar, mas é preciso estudar, porque, o Atlético.GO não é dos melhores. Pelo menos os problemas, de início, estão sendo arrumados.

Agenda cultural